sábado, 9 de outubro de 2010

PROXIMIDADES

Dentro de ti
há um espaço vazio
que já foi rio
onde mergulhei.
Agora
vagueio à tona,
e a pele não emociona
como a alma que toquei!
Que adianta abraçar-te,
que adianta roçar-te
a fímbria do areal,
se não consigo alcançar-te,
se não consigo beijar-te
a matéria nucleal...?



3 comentários:

  1. Já é altura de deixar também por aqui o meu olhar.

    Sobre as palavras escritas, nada a dizer, o tempo não gasta nunca o Belo

    beijo e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  2. Olá Teresa,
    Tão proximo e ás vezes tão distante...

    Bjs dos Alpes

    ResponderEliminar
  3. Teresa,

    Faltam-me sempre as palavras quando te leio...mas também já o sabes.

    Palavras sempre escritas com a emoção e sentido que te é devido.

    bj

    ResponderEliminar