terça-feira, 26 de outubro de 2010

SEMEADOR


SEMEADOR


Se me cercas cultivando,
Semeias beijos dispersos
Na minha pele que se abre
Em colheitas aflorando.
E toda flor me tornando,
Dou-me às mãos do semeador
Na terra a cheirar a fresco
Que o amor vai cortejando
Ao revolver do arado.
E assim jardim me sentindo,
O meu rosto colorindo,
Guardo em promessa o labor
Nos sulcos do teu amor
No meu ventre cultivado:
À flor da pele me colheste.
A fundo me semeaste.

sábado, 9 de outubro de 2010

PROXIMIDADES

Dentro de ti
há um espaço vazio
que já foi rio
onde mergulhei.
Agora
vagueio à tona,
e a pele não emociona
como a alma que toquei!
Que adianta abraçar-te,
que adianta roçar-te
a fímbria do areal,
se não consigo alcançar-te,
se não consigo beijar-te
a matéria nucleal...?