quinta-feira, 28 de maio de 2009

SONETO EM DELÍRIO

Verso-te o delírio das palavras
Em estrofes que me deito sobre ti,
Declamas-me suspiros que me lavras,
Declinas-me a bel prazer do teu ardil...

Faz-me, amor, contigo, una e intensa,
Sede de absorver-te a essência única,
Recital meu, paixão de bem-querença,
Eis-me, vê-me em transparência e túnica
De amar-te, crente e entrega, inteira e tua.

Rima-me contigo, verso e inverso,
Meço-te, a língua e tacto, sílabas doces,
Esquece que a noite cresce, da Terra à Lua...

Assina-me com tua pena, doa-me um verso,
Amor, herói de mim, quem dera fosses!

1 comentário:

  1. divinal este teu texto... assino com pena de fogo

    Uma Grande Chama para ti... Beijo

    ResponderEliminar