quinta-feira, 28 de maio de 2009

MUDEI A CHAVE AO AMOR

Não sei que diga ao Amor, se ele voltar,
Se tu voltares vais encontrar só indiferença,
E a diferença que o Amor me quiser mostrar,
Amostra é do abismo entre fé e crença.

Se o Amor voltar, nada será como dantes,
Antes de tudo, amor, eu vou querer ser gente,
Gente que sente não pisa os restos errantes,
Errar é ser garimpeiro de sementes.

Se o Amor voltar, quero vê-lo à luz do dia,
Dias virão em que tu não terás noites,
E as noites que eu ao Amor der, serão só seda...

Se o Amor voltasse, puro e leal, que bom seria!
Bom será que além da porta não te afoites,
Afoita quero deixar entrar quem te suceda!

Sem comentários:

Enviar um comentário